Síndrome de Estocolmo: crime que originou o termo completa 47 anos

ANÚNCIO

Em 2020 o famoso assalto com reféns na Suécia completa 47 anos. Durante o crime, assaltantes e funcionários retidos no banco desenvolveram laços afetivos, no que mais tarde deu origem ao que conhecemos como Síndrome de Estocolmo

O “drama de Norrmalmstorg” teve como protagonistas um assaltante e um presidiário que fizeram quatro funcionários de reféns por cerca de seis dias em um banco na capital do país, pela conexão entre os ‘vilões’ e ‘mocinhos’ do evento originou-se o estudo de um novo distúrbio psicológico.

ANÚNCIO

A famosa produção espanhola da Netflix, La casa de Papel fez menção a síndrome quando no mesmo formato, um criminoso e uma refém se envolvem afetivamente durante a trama.

Síndrome de Estocolmo: crime que originou o termo completa 47 anos
Fonte: (Reprodução/Internet)

Conheça a história por trás do termo conhecido mundialmente por Síndrome de Estocolmo”.

O crime por trás do curioso termo “Síndrome de Estocolmo”

Em agosto de 1973, há 47 anos a capital da Suécia, Estocolmo foi abalada pela ação de Jan-Erik Olsson e Clark Olofsson, quando o primeiro encapuzado e com uma metralhadora em mãos invadiu o banco Kreditbanken, próximo a Praça de Norrmalmstorg fazendo quatro funcionários da filial reféns.

ANÚNCIO

Clark Olofsson só entrou na história mais tarde, quando o Olofsson, mais conhecido como Janne, exigiu que o criminoso, ex-colega de prisão fosse transferido para o banco. Além disso, ele exigiu que a polícia entregasse três milhões de coroas, moeda sueca, um automóvel e a abertura para deixar o país. 

Entra um criminoso e em seis dias saem os reféns

A polícia cedeu a exigência número um e  Olofsson, um dos criminosos mais famosos do capital, foi levado para o local. Os dois assaltantes mantinham contato por telefone com os policiais e com o até então jovem primeiro ministro Olof Palme.

Os seis protagonistas do crime permanecerem juntos por seis dias seguidos, sendo que os reféns ficaram retidos em um pequeno espaço, uma vez que em uma manobra a polícia conseguiu isolar um perímetro de segurança da filial.

Desfecho: a liberdade e as revelações 

Depois do que seria os seis dias de horror dos sequestrados, a polícia conseguiu penetrar as instalações do Kreditbanken e usando gás lacrimogêneo pediu que os reféns fossem libertados, os assaltantes concordaram, mas inesperadamente os últimos se negaram a sair antes de Janne e  Olofsson.

A atitude foi explicada pelos reféns como temor pela represália aos assaltantes, aos quais eles se despediram na libertação com abraços. Em seguida Janne  foi condenado a 10 anos de prisão e o seu companheiro foi absorvido por ter justificado sua participação apenas como ‘vítima’.

Síndrome de Estocolmo: crime que originou o termo completa 47 anos
Fonte: (Reprodução/Internet)

Dos reféns dois prosseguiram trabalhando no local e um passou a estudar psicoterapia. Das relações afetivas desenvolvidas pelo grupo, o criminologista Nils Berejot, que serviu junto a polícia na época, cunhou o termo Síndrome de Estocolmo, tal como desenvolve-se a identificação emocional entre Mônica e Denver, em La Casa de Papel.