Programa de combate à fome é o vencedor do Nobel da Paz

A Academia Sueca anunciou nesta sexta-feira (9), que o prêmio Nobel da Paz deste ano é do Programa Mundial de Alimentos da Organização Mundial da Saúde (ONU), que visa erradicar a fome no mundo.

O programa atua em áreas de emergência da fome e de conflitos internos. O porta-voz da ação, Thomson Phiri, recebeu a notícia durante um encontro semanal das Nações Unidas.

O combate à fome nas determinadas localidades sempre foi necessário, pois há riscos de desnutrição. Os problemas se tornaram mais nítidos com a pandemia do novo coronavírus. 

Programa de combate à fome é o vencedor do Nobel da Paz
Fonte: (Reprodução/Internet)

Gestão durante a pandemia ressaltou a importância da ação

Segundo a academia, o prêmio já era merecido apenas pelo combate à fome. Entretanto, a pandemia da Covid-19 tornou o trabalho mais impactante, isto porque a comida se tornou mais escassa.

“O programa da ONU demonstrou uma habilidade impressionante de intensificar seus esforços”, afirmou a organização do Nobel.

Em comemoração, o diretor do programa no Brasil, Daniel Balaban, afirmou que o anúncio causou surpresa e ainda ressaltou a importância da continuidade do trabalho ao dizer que se o programa parasse agora, muitas pessoas morreriam de fome.

Em homenagem, Berit Reiss-Andersen, presidente do conselho do Nobel, disse que ao notar a necessidade da solidariedade internacional no atual momento, e o que foi feito na ação das Nações Unidas, fez o prêmio ser garantido ao programa.

Programa já alimentou mais de 97 milhões de pessoas

O órgão parceiro da ONU tem a sede na Roma. É a maior instituição de combate à fome e fornece a segurança alimentícia no mundo. O programa já auxiliou 97 milhões de pessoas em 88 países.

Um levantamento realizado pelo programa prevê que até 2021 podem haver 265 milhões de pessoas em situação de extrema pobreza, e consequentemente com fome. Reiss-Andersen lembrou à comunidade internacional a necessidade de continuar financiando o Programa Mundial de Alimentos.

Qu Dongyu, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO),  comemorou a vitória em uma rede social, dizendo que sente orgulho de ter trabalhado no desenvolvimento do programa fundado em 1961.