Pesquisa aponta que cães começaram a ser domesticados há 11 mil anos

ANÚNCIO

Em um resultado de uma pesquisa genética feita por 30 universidades, incluindo o Departamento de Zoologia de Oxford, novas hipóteses foram levantadas sobre a história humana. O trabalho foi conduzido por vários pesquisadores multidisciplinares que analisaram fósseis de cães entre 11 mil e 100 anos. 

A região aonde os fósseis foram retirados também conta muito para a pesquisa, pois isso determina como o desenvolvimento dos cães se deu em diferentes partes do mundo. Portanto, as ossadas foram retiradas de várias regiões pelos países. 

ANÚNCIO

Os cães vêm acompanhando a trajetória do homem na Terra por anos, e com isso se tornaram seu melhor amigo. Os cachorros são uma subespécie do lobo, e o animal mais antigo a ser adestrado. Algumas teorias especulam que o Canis lupus familiaris, nome científico, surgiu no continente asiático há mais de 100 mil anos.

Pesquisa aponta que cães começaram a ser domesticados há 11 mil anos
Fonte: (Reprodução/Internet)

Cães se espalharam pelo mundo na Idade do Gelo  

Durante a pesquisa, o grupo de cientistas descobriram que os cães se separaram em diferentes linhagens antes mesmo dos humanos se tornarem sedentários, ou seja, antes dos mesmos realizarem a prática da agricultura e abandonarem o nomadismo. 

Isto significa que os cães estavam adquirindo os aspectos de domesticação ainda enquanto os homens eram caçadores-coletores. Segundo uns dos autores do estudo, Anders Bergström, pós doutor no Instituto Francis Crick, os cães já haviam se espalhado pelo mundo no final da Idade do Gelo, antes mesmo de qualquer animal ser domesticado.

ANÚNCIO

Essa separação está conectada até hoje com a era contemporânea, e teve sucesso, diz pesquisador Anders. Portanto, lobos e cães começaram a ter uma separação de raças há 11 mil anos, e uma parte dela partiu para o processo de domesticação. 

Ser humano tem total responsabilidade na evolução do cachorro 

A pesquisa também ressalta um hipótese importante dentro da evolução, a influência do ser humano no processo, uma vez que o mesmo já domesticou vários animais. De acordo com Laurent Frantz, professor da Universidade de Lugwig Maximilian, o ser humano tem total responsabilidade no aparecimento de novas raças, e resultante de uma evolução artificial.

Além de trazer diversos detalhes sobre o desenvolvimento dos animais, a pesquisa ressalta o grande potencial que a humanidade já tinha de influenciar no meio ambiente, antes mesmo da agricultura e das civilizações.