Macabro massacre de Jonestown completa 42 anos

ANÚNCIO

Em novembro de 1978 um onda de assassinatos promovidos pelo pastor Jim Jones ceifou mais de 900 vidas. Denominado como o maior ‘suicídio coletivo’, o massacre de Jonestown completa exatos 42 anos e ainda assusta por evidenciar a capacidade de manipulação religiosa.

O norte-americano Jim Jones identificado como pregador e líder do massacre em Jonestown, fundou em 1954 sua própria igreja a qual chamou de Templo dos Povos. A partir dessa sede ele passou a ganhar visibilidade entre as comunidades religiosas contíguas.

ANÚNCIO

Na década de 1961, o pregador esteve discursando no Brasil nos estados de Minas Gerais e Rio Janeiro, onde firmou trabalhos em favelas e instituições de caridade. Desde a infância Jones tinha inclinações para o místico, mas também explorou por meio de leituras muitas obras políticas e sociais. Em sua trajetória denominou-se marxista.

Macabro massacre de Jonestown completa 42 anos

James Warren, conhecido como o manipulador nato

Com um discurso anti racista e de união americana, o manipulador nato e líder da seita do Templo dos Povos convenceu diversas pessoas a adotar a sua visão religiosa e ideológica. Grande parte dos membros que frequentavam as suas pregações eram de origem afro-americana.

Historiadores apontam o fascínio de Jim Jones (como ficou conhecido) por leituras de livros biográficos de autores como Adolf Hitler e Josef Stalin, tipo de obras em que o mesmo conseguiu desenvolver ideias para melhor persuadir as pessoas quanto aos seus ideais.

ANÚNCIO

Jim atraía grupos com suas promessas de livrar a América de preconceitos enraizados, também declarava e promovia “curas” entre a seita, o que fez crescer o  seu apoio em Guiana, local onde firmou seu templo.

O Fatídico dia do massacre

Há 42 anos, tamanha a capacidade de manipulação de Jim, que cerca de 918 pessoas, incluindo mais de 300 crianças o seguiram em o que ele declarou trata-se de um ritual. Com fama messiânica, o líder convenceu os seus seguidores a se autoevenerarem. Ele explicou de modo específico como deveria ocorrer o suicídio.

Centenas de pessoas seguiram os planos de Jim, outras, no entanto declinaram na hora de beber a bebida composta por cianeto. O que aconteceu diante da negativa é chocante, um verdadeiro assassinato em massa dos desertores, enquanto simultaneamente os seus seguidores fiéis bebiam a morte. Em questão de minutos, 918 pessoas perderam suas vidas.

Macabro massacre de Jonestown completa 42 anos

Vertente ‘socialista’ declarava o pregador

Jim Jones pregava claramente contra o governo estadunidense, o qual era apontado como o anticristo e causador da sociedade desigual. A vida toda o pregador insinuou ser um marxista, porém com uma posição passiva diante das injustiças. Para ele só restava a calmaria de quem não era responsável por essas injustiças sociais.

Chegou a se envolver em partidos de ideologia socialista, mas também possuía estima por líderes fascistas, quando fundou o Templo dos Povos estava conturbado nesse turbilhão de ideias antagônicas. Em 1973 foi acusado por ex-seguidores da prática suicida, as quais os próprios tinham simulado com o líder.

Quando os corpos foram encontrados em 1974 no povoado de Jonestown, Jim fazia parte do saldo, porém segundo aponta a polícia norte-americana ele morreu com um tiro na cabeça e não pela ingestão de seu veneno.