Sexta-feira 13: quais as histórias por trás da expressão macabra

ANÚNCIO

Não é de hoje que existe todo um misticismo envolvendo o número treze. Histórias datadas da Antiguidade Clássica demonstram que os gregos já desdenhavam do número, ao contrário de seu antecessor doze que representava a perfeição, tanto que passou a compor o total de meses do ano.

Registros nórdicos e cristãos também realizam uma carga negativa ao fatídico número treze. Na mitologia pagã, Odin havia convidado doze divindades para um banquete, deixando Loki de fora, o que provocou a sua ira a ponto de assassinar os deuses reunidos. 

ANÚNCIO

Para o cristianismo, o número treze é trágico por conta da Santa Ceia, a qual estava composta por doze apóstolos e Jesus Cristo, cujo estava presente o traidor Judas Iscariotes. Igualmente o termo sexta-feira treze têm origens em crenças religiosas cristãs, posto que foi o dia em que Cristo foi crucificado.

Sexta-feira 13: quais as histórias por trás da expressão macabra
Fonte: (Reprodução/Internet)

As origens da expressão macabra sexta-feira 13 entre os antigos

Entre os povos romanos antes do nascimento de Jesus Cristo já se reverberava uma descrença contra o número treze. O número doze, ao contrário de seu subsequente era visto como versátil e divisível por diversos pares primos, enquanto o treze nada tinha dessa adaptabilidade, assim ganhando notoriedade de ‘bruxaria’ e coisas ruins.

Com o advento da cronologia cristã, o termo ‘feira’ foi acrescido (em 563) em referência aos dias de descanso ao qual todo bom cristão deveria cultivar durante a páscoa, mas com o tempo ele se generalizou a todos doze meses no Ocidente. O cristianismo apregoa o número treze à besta, por conta da figura de Judas Iscariotes.

ANÚNCIO
Sexta-feira 13: quais as histórias por trás da expressão macabra
Fonte: (Reprodução/Internet)

Durante a Santa Ceia, Jesus Cristo estava rodeado de seus doze apóstolos, sendo Judas remetido ao décimo terceiro número na mesa. Cristo foi denunciado por ele, em seguida preso pelos romanos, e em uma sexta-feira crucificado. Com o tempo qualquer reunião de treze pessoas passou a ser um símbolo de azar.

Lenda dos Cavaleiros Templários 

Na Era Medieval membros de uma ordem se reuniram em uma das maiores peregrinações religiosas da história. Por volta dessa organização surgiram as famosas Cruzadas, cujo intuito era a recuperação de Jerusalém contra os diversos povos que ali adotaram domínio durante os séculos de 1905-1492. 

Sexta-feira 13: quais as histórias por trás da expressão macabra
Fonte: (Reprodução/Internet)

Os Cavaleiros Templários ganharam tamanha fama, influência e riqueza, que com o decorrer de suas expedições passaram a preocupar grandes monarcas, que inclusive fizeram dívidas com a ordem. Por isso, no dia 13 de 1307, o rei francês Felipe IV da França ordenou a prisão, tortura, excomunhão e morte na fogueira dos Templários. 

Felipe IV alegou que os eles cometiam diversos pecados, como homossexualismo, e, inclusive adoravam uma divindade satânica denominada Baphomet. Sob extrema flagelação, os templários confessaram tais crimes, as quais nunca se constatou historicamente serem verídicos.