Assassinado após live, candidato a vereador tem corpo velado

O corpo de Cássio Remis (PSDB), candidato a vereador em Patrocínio, foi velado nesta sexta-feira (25), na Câmara Municipal. A polícia aponta Jorge Marra, irmão do prefeito, como autor do crime.

Jorge Marra, principal suspeito, também era secretário de obras, mas teve o cargo exonerado pelo irmão. A Polícia Civil disse que já iniciou as investigações e a prisão preventiva de Marra, será feita.

Romeu Zema, governador de Minas Gerais, e a Câmara Municipal, divulgaram uma nota de pesar. A TV Integração entrevistou Marcos Remis, pai da vítima. A conversa foi marcada por elogios a dedicação de Cassio à política.

Assassinado após live, candidato a vereador tem corpo velado
Fonte: (Reprodução/Internet)

Candidato a vereador foi vítima de 5 tiros

Cássio Remis estava realizando uma transmissão ao vivo na Avenida João Alves do Nascimento. As gravações mostravam um processo de revitalização. Em um momento da live, Cássio afirmou que funcionários da Prefeitura faziam serviços particulares em uma casa que seria comitê de campanha de Deiró Moreira Marra, atual prefeito.

O assassino saiu de uma caminhonete e pegou o celular da vítima, interrompendo a live. Jorge Marra retornou ao carro. De acordo com o tenente-coronel Salomão Queiroz Caixeta, Cássio foi buscar o celular que estava com Jorge Marra.

O autor do crime, que se encontrava na frente da Secretaria de Obras, sacou uma arma e atirou contra Cássio. A Polícia Civil apontou que a vítima recebeu cinco tiros. Jorge Marra continua foragido.

Pai da vítima disse que Cássio era dedicado aos mais pobres

Em sua carreira como político, Cássio Remis foi presidente da Câmara em 2013/2014, e vereador em 2008. O pai da vítima, Marcos Remis, disse para a TV Integração que o trabalho de Remis era voltado aos pobres. 

Marcos falou de sua inconformidade pelo assassinato ter sido cometido pelos administradores de Patrocínio. Ainda reiterou que o filho se dedicou à política desde cedo, tanto que foi o vereador mais novo da história da cidade mineira.

“Dedicou a vida inteira a essa causa. Não teve infância, não teve balada, só se dedicava à política. E tinha, na verdade, pretensões futuras que eu tenho certeza que o horizonte já havia aberto pra ele’, afirmou Remis.