Nasa tem interesse no 16 Psique, asteroide mais valioso do que as riquezas da Terra

ANÚNCIO

Uma recente pesquisa realizada com o Telescópio Espacial Hubble, demonstrou imagens do asteroide 16 Psique, descoberto desde 1852. O corpo espacial vale dezena de vezes mais do que o planeta Terra.

Com isso, a Nasa (agência espacial americana) e a Space X, companhia do empresário Elon Musk, estão de olho em um projeto de exploração do asteroide. Inicialmente, a agenda das suas instituições fecham uma parceria para uma missão em 2022.

ANÚNCIO

Com 226 quilômetros de diâmetro e a 370 milhões de quilômetros de distância da Terra, o 16 Psique não servirá apenas para extração de riquezas. O asteroide deve ser campo de pesquisa por conta de que sua composição de metais.

Nasa tem interesse no 16 Psique, asteroide mais valioso do que as riquezas da Terra
Fonte: (Reprodução/Internet)

16 Psique é composto por metais preciosos

O asteroide 16 Psique se encontra no cinturão entre os planetas Marte e Júpiter. Com base em algumas investigações, foi possível constatar que o corpo é composto por metais em sua grande maioria. 

Por ter esta composição, é estudado que o asteroide pode ser uma mal formação de um planeta, e desse modo ser parte do núcleo incompleto. Assim, cientistas espaciais podem conseguir novas informações sobre a formação o núcleo terrestre e de outros planetas.

ANÚNCIO

Em entrevista à BBC, a pesquisadora Tracy Becker, do Southwest Research Institute no Texas, afirmou que o que concede a unicidade ao 16 Psique é a composição do asteroide de ferro e níquel. Outros levantamentos também indicam suspeita da composição de ouro e platina.

Nasa deve chegar no ‘asteroide dourado’ em 2026

Becker ressaltou que a estimativa de valor econômico dos metais que compõem o 16 Psique é de mais de US$ 10 mil quatrilhões, número que ultrapassa a economia global de 2019. De acordo com o portal de dados Statista, a riqueza mundial do ano passado era de US$ 142 trilhões.

A Nasa e a Space X notaram a exclusividade do corpo celestial como possível rocha formadora de algum planeta e lançaram uma missão de exploração em 2022. Entretanto, a nave enviada deve chegar ao asteroide em 2026.

Desse modo, no caso de missão cumprida, a Nasa concluirá a primeira visita à um aerólito metálico. A agência já alcançou, até o momento, planetas e asteroides compostos por rochas e gelos.