Manaus retoma aulas do ensino fundamental da rede pública

Nesta quarta-feira (30), as aulas presenciais do ensino fundamental foram retomadas na rede pública de Manaus. Desde março, as atividades escolares estavam suspeitas no estado, por conta da pandemia do novo coronavírus. 

O formato adotado pelo estado é híbrido. Os alunos comparecerão em alguns dias da semana presencialmente, e também online. A conquista se deve ao fato de que o Amazonas foi o primeiro estado brasileiro a reabrir as escolas durante a pandemia.

Após o experimento de aulas da rede privada liberadas desde julho, do ensino médio da rede pública acontecendo desde agosto, e da necessidade de recuperar prejuízos, a retomada foi realizada.

Manaus retoma aulas do ensino fundamental da rede pública
Fonte: (Reprodução/Internet)

Alunos assistirão aulas presencialmente e virtualmente

O governo de Manaus havia previsto o retorno das aulas de ensino fundamental da rede pública para o dia 24 de agosto. Entretanto, a retomada foi adiada com a justificativa de que seria necessário realizar testes em mais professores. Nesta quarta-feira (30), as aulas retornam de fato.

Wilson Lima, governador de Amazonas, ressaltou que o retorno da aula servirá como uma redução de desigualdades. Em entrevista dada dentro de uma escola, o administrador de estado disse que todos os protocolos de segurança estão sendo atendidos.

Os alunos foram divididos em grupo A e B. Um rodízio ocorre de forma que, alunos de um grupo frequentam a escola presencialmente às segundas e quartas-feiras, enquanto outro grupo vai à instituição às terças e quintas-feiras. Nos dias de não comparecimento, os estudantes devem acompanhar as aulas virtualmente.

Ao explicar sobre casos de Covid-19 das aulas retomadas em agosto, o governador disse que não houve intercorrência. Sobre os testes nos professores, Wilson assumiu que quase todos os professores já realizaram testes para o novo coronavírus.

Amazonas vive segunda onda de casos da Covid-19

A Fundação Oswaldo Cruz realizou uma pesquisa que indica que, o Manaus vive uma segunda onda de casos do novo coronavírus. Como forma de conter a nova crise, o epidemiologista Jesem Orellana propôs um lockdown.

Mesmo com as escolas abertas, o governo voltou a fechar bares, balneários e praias por conta de crescente de casos. Ainda, estudo da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas aponta um aumento de 12% no número de contaminados pela Covid-19, entre as duas últimas semanas de setembro.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, propôs na segunda-feira (29), que a capital entre em lockdown. O governador vai de contra com o desejo do prefeito da capital, ao afirmar que a pandemia ainda preocupa, mas não se compara com a situação do estado em abril e maio.