Asteroide visitado pela Nasa intriga especialistas

ANÚNCIO

Na última terça-feira (20), a Nasa informou que uma equipe de seus astronautas conseguiram coletar com sucesso amostras do asteroide Bennu, durante sua missão OSIRIS-REx, com a sonda e por meio da manobra Touch-And-Go ou TAG.

Esta foi uma grande conquista para a empresa tecnológica, já que o asteroide é conhecido por existir desde a formação do sistema solar, à milhares de anos atrás. Contudo, a importância deste evento também está por ele apresentar perigo ao planeta Terra.

ANÚNCIO

Com isso, a nova missão da Nasa deve ser a de trazer a Terra a maior amostra extraterrestre, desde as rochas coletadas na Lua, em 1970 na missão Apollo. Se tudo correr como o planejado as amostras chegarão neste planeta, para pesquisa científica, em 2023. 

Asteroide visitado pela Nasa intriga especialistas
Fonte: (Reprodução/nasa)

Para saber mais sobre esse incrível avanço na ciência continue lendo o artigo.

Asteroide Bennu

De acordo com a Nasa, o asteroide é um agrupamento de rochas que possui mais de 500 metros de diâmetro e ele está localizado, atualmente, a 321 milhões de quilômetros de distância da Terra, o que deixa o grupo aliviado.

ANÚNCIO

Uma das preocupações dos cientistas é que este asteroide venha colidir com a Terra, mas se isso for acontecer vai ser somente em torno de 2135. No etanto, a equipe já vem trabalhando com sistemas de defesa para casos como esse. 

O asteroide Bennu foi descoberto em 1999, e a pesquisa de sua amostras podem trazer informações sobre a origem do sistema solar e formação de vida na Terra. Sabe-se, apenas, que ele é formado por minerais compostos ou por água.

Além, também, de ter moléculas orgânicas de carbono, que são importantes para a vida na Terra. A equipe espacial norte-americana acredita que com os químicos certos, será possível semear os corpos celestes do asteroide. 

Missão OSIRIS-REx

A coleta do conteúdo ocorreu por meio da estratégia TAG ou Touch-And-Go (coletar e ir), onde a sonda faz um pouso rápido no asteroide e coleta, no mínimo 60g, da amostra necessária para pesquisa, isso por meio do braço robótico da OSIRIS-REx.

A coleta durou uns 10 segundos, mas todo o procedimento durou cerca de 4h30, em uma área chamada Nightingale, que é dentro de uma cratera. Foi a primeira vez que a equipe espacial conseguiu retirar o pedaço de um asteroide que está em movimento.  

“O fato de termos tocado com segurança e sucesso a superfície de Bennu, além de todos os outros marcos que esta missão já alcançou, é uma prova do espírito vivo de exploração que continua a descobrir os segredos do Sistema Solar”, disse Lori Glaze, que é a diretora da Divisão de Ciência Planetária da NASA.

Transporte da amostra para a Terra

No dia 21 de outubro será possível saber se a amostra coletada foi suficiente para realizar as pesquisas. Caso seja, a tripulação começará sua longa viagem para Terra, mas, se não for o suficiente, eles irão fazer uma nova tentativa em janeiro, em um outro ponto chamado Osprey.

Acessando aqui é possível, saber mais sobre o projeto e ver imagens e o vídeo do momento que a sonda estava no asteroide.